Yes, nós temos biquíni: mostra apresenta a evolução da moda praia e o papel social - Agenda CariocaAgenda Carioca

Yes, nós temos biquíni: mostra apresenta a evolução da moda praia e o papel social

“O biquíni revolucionou o mundo, mas o Brasil revolucionou o biquíni”, define Lilian PacceA apresentadora do GNT Fashion é o nome por trás da exposição Yes! Nós Temos Biquíni, no Centro Cultural Banco do Brasil, que celebra os 70 anos do traje que transformou o comportamento da mulher e acompanhou mudanças de paradigma, conquistas, libertações e liberalidades. Tudo com um olhar bem brasileiro.

Muito antes dos editoriais de moda, era o ilustrador e figurinista Alceu Penna quem “ditava” tendências na extinta revista “O Cruzeiro” com “As Garotas do Alceu”, verdadeiras it girls da época.Entre looks icônicos que fizeram história na moda praia, a mostra reunirá cerca de 120 fotografias, pinturas, esculturas, vídeos, ilustrações, instalações e artefatos históricos. Refletindo modas, modismo e rupturas, o percurso mostra a evolução do traje de banho que revolucionou o vestuário feminino através de peças originais desde o século 19. Uma linha do tempo traz a criação do engenheiro francês Louis Réard, que ousou diminuir a calcinha de cintura alta e revelar o umbigo da mulher, num paralelo com a obra Um.Bigo, de Lia Chaia, que mostra o símbolo do vínculo e da ruptura entre duas vidas, zona erógena, centro do corpo humano e do mundo. Réard queria que sua ideia fosse tão explosiva quanto os primeiros testes nucleares no atol de Bikini – daí o nome.

Apesar da criação ser atribuída aos franceses, a exposição mostra que o crédito pela invenção do biquíni poderia caber perfeitamente aos índios brasileiros. Tangas marajoaras do período pré-colombiano mostram que os trajes já eram usados por aqui muito antes do descobrimento, mas não eram percebidos como “roupa” pelos nossos colonizadores moralistas. “Essa é mais uma visão eurocêntrica que a gente nunca conseguiu mudar. Quem sabe agora que temos mais orgulho biquíni e da própria mulher brasileira, conseguimos mostrar para o mundo que ele é coisa nossa?”, questiona a curadora.

O caminho mostra a praia como território geográfico, social e até virtual através de cliques históricos de Alair Gomes e Cartiê Bressão, e termina em questões atuais como o empoderamento feminino e questões ligadas aos padrões de beleza impostos pela sociedade fazem parte do debate proposto pela exposição. Cada detalhe deste percurso é especial: do papel de parede inspirado na obra A Primeira Missa de Victor Meirelles, criado por Thomaz Azulay, ao “cheirinho de praia” desenvolvido pelo perfumista queridinho das celebs, Vincent Schaller. E entre os modelos cedidos por grandes estilistas brasileiros, aparecem criações de Amir SlamaIsabela Frugiuele, da Triya, e Adriana  Degredas, e até o modelo da Salinas inspirado em um quadro de arte naïf que reproduz o Cristo Redentor e terminou condenado pela Arquidiocese. “O trauma foi tão grande que a Jaqueline de Biase (criadora da marca) penou para encontrar o modelo e incluirmos na mostra”, conta Lilian.

A reflexão sobre o corpo e a praia aparece num diálogo entre as obras de Marcela Tiboni, Claudio Edinger e Elen Braga e criações dos estilistas Amir Slama, Isabela Frugiuele, da Triya, e Adriana  Degredas. E as parcerias que levaram arte ao universo praiano também aparecem em registros de colaborações inusitadas como a de Beatriz Milhazes com a Blue Man, Maria Martins com  Adriana Degreas, J. Carlos para Salinas, Gonçalo Ivo e J. Borges para Amir Slama e a lista segue.

A mostra é cheia de curiosidades Num contraponto com a história do traje, aparecem ainda trabalhos que ajudaram a criar a identidade da moda praia brasileira, projetando-a mundialmente. Entre elas, Dalma Callado em foto que alavancou sua carreira internacional nos anos 1970, feita por Luiz Tripolli, e Gisele Bündchen clicada por Jacques Dequeker.  

YÉS! Nós temos Biquíni
De 15 de maio a 10 de julho | De quarta a segunda, das 9h às 21h
CCBB: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro
Tel.: (21) 3808-2020
www.bb.com.br/cultura

QUE TAL UMA DOBRADINHA? ARTE CUBANA DO LOS CARPINTEROS GANHA RETROSPECTIVA NO CCBB

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *